Cabelos lindos no verão com as dicas do tricologista Flávio di Rezende (da Armando Lombardi)

Hair copy

Manter os cabelos lindos no verão não é tarefa fácil. Com a nova rotina de mar, sol e piscina, quem sofre são as madeixas, que ficam ressecadas e bastante danificadas. Por isso, o visagista clínico, tricologista e terapeuta capilar Flávio di Rezende, do Blowout da Armando Lombardi, deu algumas dicas para você manter (e recuperar) a saúde dos fios na estação mais quente do ano.

O primeiro passo, segundo Flávio, é se preparar com a ingestão de muito líquido e uma boa alimentação, afinal, a hidratação começa de dentro para fora. Manter os mesmos horários para se alimentar e dormir também ajudam a manter cabelos e corpo mais bonitos e saudáveis.

Um dos maiores vilões dessa época é o sol, que deixa os cabelos fracos e quebradiços. Além disso, os raios UVA podem mudar a cor dos fios, desbotando os tingidos e amarelando os loiros. “A radiação ultravioleta degrada a matriz do fio (formada por um “cimento” de ceramidas que une as cutículas), impedindo a retenção de água. O resultado são cabelos ásperos, ressecados, sem brilho e com pontas duplas”, Flávio explica.

Uma dica é apostar nos xampus e condicionadores com proteção solar, mas Flávio lembra que só esses produtos não são suficientes para uma proteção efetiva: “Uma vez que são produtos enxaguados, após o uso é certo que percam muito a proteção fornecida. Acredito mais nos produtos de proteção solar que não tenham enxágue. Estes sim proporcionam uma proteção solar mais efetiva e duradoura”, afirma o tricologista. O protetor solar para cabelos deve ser reaplicado sempre após sair do mar ou piscina.

O sal e o cloro também agridem e danificam os fios e os deixam mais suscetíveis à quebra, ressecamento e pontas duplas. Já no couro cabeludo, pode aparecer a caspa, dermatites seborreicas, descontrole da produção sebácea e até mesmo a queda. Para recuperar os fios destes problemas, Flávio indica sempre a consulta com um tricologista ou terapeuta capilar.

Mas no geral, pode-se tomar alguns cuidados específicos para cada tipo de cabelo: “Cabelos tingidos e mistos (raiz oleosa e pontas secas) precisam de produtos específicos com vitamina E, antioxidantes e filtros solares. Já os cabelos cacheados são mais delicados nas altas temperaturas, pois o ressecamento e a quebra são maiores; seus produtos devem conter agentes hidrantes, restauradores e proteínas como a ceramidas”, Flávio indica. Em todos os tipos de cabelos, aposte nos reparadores de pontas para evitar as temidas pontas duplas, e diminua o uso de secador e prancha, que podem piorar o ressecamento.

 

 

Anúncios

Copie já as dicas de Charles Fabiano para a revista Capricho!

Mais uma vez o Studio Blowout foi destaque na mídia! Na revista Capricho da primeira quinzena de maio, o hairstylist Charles Fabiano participou de uma super matéria com 10 dicas de ouro para ter os cabelos perfeito cuidando em casa! É claro que os cuidados no salão são essenciais (aliás, já fez uma visita ao Blowout?), mas você pode aproveitar as dicas para quando lavar e secar os cabelos no dia-a-dia. Clique para ampliar e confira:

Clipping Capricho - Blowout [05-05-13] Capa

Clipping Capricho - Blowout [05-05-13] 1 Clipping Capricho - Blowout [05-05-13] 2

A manicure Leni, do Blowout, ensina a parar de roer unhas

pare de roer unhas blowout

Não passa um dia sem que uma nova moda para as unhas seja criada: novos formatos, cores de esmalte e nail arts estão entre os tópicos mais comentados pelas mulheres. E quem roe unha sente aquela frustração. Afinal, momentos de nervosismo podem atrapalhar todo o visual. Quer vencer esse hábito? Então siga as dicas da manicure Leni.

Lixe as unhas muito bem, para que as lascas restantes da última roída não te deixem tentada a usar os dentes para “consertar” esses cantinhos. Leni aconselha que elas estejam sempre cuidadas e com aplicações de esmaltes toda semana. “Deixar o esmalte muito tempo faz com que ele desprenda das unhas e induza a pessoa a roer”, diz.

De acordo com a profissional, as tradicionais bases com gosto amargo, feitas especialmente para quem quer perder o hábito, também podem auxiliar no processo. O produto pode ser um aliado para que você perceba o quanto repete o movimento e em quais situações.

Outra dica que é unanimidade entre as manicures é usar unhas de gel ou de porcelana. “As unhas naturais vão crescendo por baixo”, explica Leni. Ela destaca, ainda, que é necessário fazer a manutenção das aplicações a cada 15 dias.

Para quem vai apostar em um crescimento sem essa ajudinha, escolher bem a cor dos esmaltes também faz diferença: o vermelho e outras cores escuras podem ser bons aliados. “O esmalte vermelho é bem visível então ajuda a roer menos. Quando ele está bem feito, fica muito bonito e você pensa duas vezes antes de estragar”, conta Leni.

As unhas estão tão curtas que te incomodam? Então disfarçar é o melhor remédio. Procure aplicar esmaltes bem claros e que sejam agradáveis e bonitos, como os nude.

Matéria original publicada no site Daqui Dali